sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Na janela.

Entre a correria da rotina de início da manhã, por alguns instantes minha atenção ficou presa a momentos que não me pertenciam. Enquanto punha-me brincos, ouvi uma voz dócil vinda da rua, na qual clamava de dentro do portão do edifício: "Pai, pai!" O homem dentro do carro estacionado no outro lado da rua nada ouve, pois não se mexeu.
A garotinha, vestida de rosa dos pés à cabeça acompanhada por sua mãe, saiu do portão -mas ainda junto ao prédio- e esperou uma resposta do tal pai. Seus rostos expressavam preocupação, já que a rotina, do pai de ir até o portão e carregar a mochila de sua filha até o carro fora quebrada.
Não havendo resposta, as duas foram até o meio-fio, e a mãe pediu para sua filha chamá-lo novamente, e novamente não tiveram retorno.
Nessas alturas eu já estava estagnada na janela, observando a situação atentamente (do terceiro andar do mesmo prédio).
Após se aproximarem mais dois passos e a garotinha ter gritado "Pai, pai!", seus semblantes mudaram do estado preocupado para o debochado, ao perceber que o homem estava dormindo. Ri.
Acho que a menininha já havia gritado "Pai, pai!" por volta de cinco vezes, em um volume que eu a ouvia claramente -lembrando que eu estava no terceiro andar, ainda mais com as janelas fechadas. - e nada do homem responder.
A filha, cheia de graça gritou no ouvido do ser dormente: "PAI!"e nada. Experimentou cutucá-lo e nada. Então partiu para um empurrão, e então a fera se acordou. Acordou irritado com a desculpa de que a filha estava deveras atrasada. Mas o xingão não impediu os risos da mãe, da filha, e da intrusa na janela.

12 comentários:

  1. Muito bom...

    Você descreveu de uma tal maneira, que consegui imaginar claramente a situação.

    Você escreve muito bem...

    Deus te abençoe!

    Paz!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom...

    Você descreveu de uma tal maneira, que consegui imaginar claramente a situação.

    Você escreve muito bem...

    Deus te abençoe!

    Paz!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom...

    Você descreveu de uma tal maneira, que consegui imaginar claramente a situação.

    Você escreve muito bem...

    Deus te abençoe!

    Paz!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom...

    Você descreveu de uma tal maneira, que consegui imaginar claramente a situação.

    Você escreve muito bem...

    Deus te abençoe!

    Paz!

    ResponderExcluir
  5. Concordo plenamente com "Dicoy?!", embora não postarei 4 vezes o mesmo comentario.

    ResponderExcluir
  6. heim, concordoo com você Neto. HAHA'
    Candy, gostei do post !
    Beijoo

    ResponderExcluir
  7. hahaha imaginei tudo agora, isso sempre acontece comigo :)
    beijos!

    ResponderExcluir
  8. E eu achando que o pai tinha morrido.
    Fiquei feliz =)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Foi mal o comentário repetido.

    Minha net tava uma bosta no dia...

    ResponderExcluir
  10. poxa que tempo que eu nao venho aqui.. continua otimo aqui.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. que susto! achei que o homem tinha morrido!

    ResponderExcluir